10 Dicas para viajar com gêmeos (pelo menos funcionam conosco)

Algumas mães que conheço (de filhos gêmeos ou não) me falam que têm muito receio de viajar com as crianças. Resolvi então compartilhar de forma didática algumas coisas que utilizamos nas nossas viagens, e que funcionam conosco. O objetivo não é ensinar nada, mas sim relatar as nossas experiências (e que algumas são bem pessoais).

1)  Ter, muita paciência  e muita, muita calma –  alguns momentos não são muito fáceis nas viagens com gêmeos (e muitas vezes viajando com apenas 1 também!). Já passamos por escândalos em avião, ouvido estourado, micos em restaurantes, banhos de cocô (sim, em mim e nas crianças), sustos relacionados à saúde, choros ininterruptos, etc e  tal. Muitas vezes, diante do estresse da situação, meu marido também se estressou e entrou em pânico. E daí que sobrou apenas eu!!! Se os 4 (ou 5 quando o mais velho viaja) ficarmos em pânico, ninguém resolve nada. Respire fundo, lembre-se que micos acontecem com todo mundo que tem filhos e resolva com serenidade!! Muitas vezes, depois do fato ocorrido, damos boas risadas da situação.

2) Levar pouca bagagem – se você está viajando com 2 crianças + marido + carrinho + 8 malas, imagina o sufoco para se deslocar!! Leve menos da metade do que você acha que realmente precisa! Isso vai facilitar muito a sua vida! Na nossa última viagem, levamos 2 malas (uma de 17 kg e a outra de 23) para passarmos 24 dias na Finlândia e Alemanha (4 pessoas). Se você sentir falta de algo, provavelmente poderá comprar no destino (salvo algumas coisas bem específicas, tipo medicamentos). Muitas cidades possuem lavanderias self-service.

3) Sempre levar um kit remédios – geralmente levamos antifebril, termômetro, remédio de enjoo, para dor de barriga, constipação, antibiótico, remédio para tosse, antialérgico, e outros. Alguns dias antes da viagem, vou com os meninos na pediatra e peço a receita para levar comigo. O kit já nos salvou de alguns sufocos!

4) Levar um bom carrinho de gêmeos – nós já tivemos 2 carrinhos diferentes e achamos que é um dos itens mais importantes para viajar (quiçá o item mais importante). Já tivemos um mais pesado (da Maclaren), ótimo para bebês pequenos. A partir dos 2 anos utilizamos o da Jeep. Como eles sempre foram acostumados a ficar no carrinho, não estranham nas viagens.

5) Escolher com cuidado a localização dos hotéis – como andamos muito empurrando o carrinho, sempre observamos com antecedência se as estações de metrô próximas aos hotéis têm elevador. Descer e subir com carrinho de gêmeos (com os gêmeos) não é tarefa fácil!

6) Escolher com cuidado os destinos e quantidade de dias em cada lugar – isso é muito pessoal, mas nós gostamos de ficar no mínimo 4 e no máximo 10 dias (em cidades maiores, tipo Berlin) em cada lugar. Assim não precisamos arrumar e desarrumar mala com frequência e diminuímos a quantidade de deslocamentos. Também gostamos de olhar as cidades com calma, curtir lentamente.

7) Escolher com antecedência os assentos do avião – quando os gêmeos têm menos de 2 anos e viajam no colo, algumas cias aéreas não permitem que os pais viajem no mesmo bloco de assentos por causa da quantidade de máscaras de oxigênio. Quando eles eram pequenos, eu gostava de viajar corredor e corredor, o que tornava mais prática a retirada de itens do bagageiro para dar aos meninos. Atualmente, com 2 anos e 10 meses, eles já têm o próprio assento. Quando o avião tem a fileira de 4 assentos, é ótimo. Quando são 3 e 3, melhor separar 1 adulto com cada criança, senão um fica sobrecarregado (geralmente a mãe….).  Em alguns voos que marcaram 3 e 1  os meninos queriam ficar ao lado do outro que estava sozinho e aí ficou um troca troca de assentos que não foi legal.

8) Levar água, lanches e brinquedos – os meninos precisam se distrair durante os voos. Alguns aeroportos permitem que os pais embarquem com líquidos para crianças, tais como sucos, leites e papinhas. Em Lisboa, estava com a mamadeira e a atendente apenas pediu que eu provasse o leite. Em Helsinque, jogaram o achocolatado fora mas deixaram o suco passar.Caso não dê para passar, gostamos de comprar algo nas lanchonetes no salão de embarque. Ter algo que as crianças gostem de comer à mão é um ótimo truque para um possível estresse no avião. Dos quase 40 voos que eles voaram, 30 devem ter sido tranquilos, 3 super estressantes e os outros 7 mais ou menos. Nestes 3 estressantes, o bom e velho pirulito nos ajudou! Quanto aos brinquedinhos, levamos sempre 2 iguais para não ter briga.

9) Levar algo para eles não estranharem a cama – os meus meninos sempre dormiram com uma almofadinha em forma de boneco que serve como travesseiro. Elas sempre viajam conosco.

10) Ter muita, muita, muita calma e paciência :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *